Escrito, Inspiração

“Pelo seu caminho” (23/01/2017)

Durante muito tempo em minha vida eu me senti perdido, sabe. E eu achava isso um pouco estranho, anormal. Pelo simples fato de estar obcecado em observar a vida alheia, eu constantemente me via em conflito por viver sempre fazendo comparações. Eu simplesmente me perguntava como a grama do vizinho podia ser de uma cor tão verde e exuberante. O que ele fazia, qual era o segredo? Porque as pessoas ao meu redor sempre me pareciam mais felizes e contentes do que eu? Em que eu estava errando? O que eu estava fazendo que não me permitia ser feliz? Porque eu não conseguia ser como eles? Porque eu não conseguia experimentar de tal sensação que os deixavam tão eufóricos, a não ser por raras ocasiões? Eu não conseguia compreender. Foi então que fui crescendo e pude enxergar as coisas com um pouco mais de clareza. Foi então que eu percebi que a grama do outro lado da cerca pode até parecer mais verde e exuberante, porém, reparando melhor, a gente se dá conta de que a tal “grama” é artificial. E de que os sorrisos de felicidade e contentamento não passam de uma reação maquiada. Aliás, como dizia o sábio Lloyde Jones em “Sr. Pip”: “Um sorriso doce não diz nada sobre o coração de uma pessoa. Sorrisos são um truque.” Com o passar do tempo, a gente percebe que todos, apesar das diferenças, estamos no mesmo barco; que é normal se sentir perdido algumas vezes na vida, como não saber pra onde ir ou o que fazer. Até porque não existe caminho. O caminho se faz caminhando.

Não há vergonha em sentir-se desorientado, incapaz, algumas vezes. Se você é um dos que não sabem o que fazer, nem como fazer, bem vindo ao clube! Isso é completamente normal. Isso mesmo que você acabou de ler, você não está fantasiando nem nada do tipo. O caminho mais verdadeiro é o não-caminho. Aquele que se abre pra você enquanto você caminha; aquele do qual você não precisará de instruções, porque não serão necessárias. Já que as instruções recebidas fazem parte de uma outra jornada, totalmente diferente da sua. Pois cada caminho é único, e as respostas de outras pessoas não lhe servirão para nada, já que você faz parte de uma jornada totalmente diferente.

Portanto, não há vergonha (sim, eu repito), não há porque se sentir incapaz só porque os ventos não sopram a favor, ou as respostas parecem não vir. Apenas não seja uma ovelha, que segue a tudo e a todos sem se questionar. Apenas abandone o rebanho e faça seu próprio caminho, ainda que este não pareça fazer o menor sentido no momento. Repare que a maioria das pessoas são como ovelhas, que seguem umas as outras, ignorando completamente o seu chamado interno. O chamado para um caminho diferente, que não é traçado, definido. Seja diferente, não se coloque no meio de ovelhas precisando de um pastor para guiá-lo. Apenas perceba que enquanto se caminha, você acaba se tornando o caminho. Sinta-se grato algumas vezes por não saber aonde ir. Por não saber o que fazer; porque só assim compreenderá que não existe caminho algum. Não há rotas. Você é seu próprio mapa, sua própria bússola, sua própria estrada. E entender isso é tudo.

Previous Post Next Post

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply

Powered by themekiller.com